Image
Voltar ao topo
Exibir menu
22 de julho de 2014

Quando Lars von Trier fez uma animação

Lars von Trier já era foda pra car*lho aos 11 anos e a sua infância foi tudo, menos comum. A animação feita por ele ainda criança é prova disso. Assista!

Lars von Trier

Conheci Lars von Trier com o brilhante Dançando no Escuro (2000), que tem a nossa amada Björk como protagonista (<3), e o filme me deixou dias seguidos na cama em posição fetal, não querendo ver a luz do dia. Vocês sabem o que estou falando.

Depois veio Dogville (2003), Anticristo (2009), Melancolia (2011) e, por fim, Ninfomaníaca (2013/2014). Citando apenas os mais famosos, a filmografia de von Trier é um tanto alucinada. Mas isso não é por acaso, como explicado em um artigo [clique para ler] sobre outro cara de mente insana (Tarantino, para os menos íntimos) – e já é comum na história da humanidade –, toda obra maravilhosa geralmente é fruto de uma vida atribulada. No caso de Lars von Trier não é diferente. Vale lembrar que o cineasta foi criado numa casa de nudistas, onde não havia castigos e julgamentos; além de ser hipocondríaco (quem acredita estar doente sem verdadeiramente estar) e depressivo.

A infância de von Trier foi tudo menos normal. E o diretor dinamarquês já era incrível aos 11 anos, quando fez sua primeira animação em stop motion, chamada Turen til Squashland: En Super Pølse Film (algo como “A Viagem ao Mundo das Abóboras: A História de uma Super Salsicha”). A trama envolve coelhos, salsichas e outras coisas sem sentido, quase algo que Lewis Carroll faria facilmente. Da música ao roteiro, tudo é muito bizarro, apesar de fofo.

Dê uma olhada e depois fale pra gente o que achou!

/ Gostou deste post? Então experimente nossa newsletter semanal. Assine nossa newsletter.

/

Criador do @cultpopshow, amante de cultura pop e boas conversas. Faminto por novas ideias e fascinado pela história da juventude. Ama ler, escrever, ouvir músicas e assistir a séries de TV.

/CultPopShow © 2008-2014. Todos os direitos reservados.   |   Agência WCK