Image
Voltar ao topo
Exibir menu
21 de março de 2014

Jukebox #3: Vertentes do pop não convencional

Uma playlist cheia de vertentes do pop não convencional, que ficam no repeat pra sempre.

Mixtape @ Cult Pop Show by Guilagrotta on Mixcloud

Wanderhouse – Use Me Up

Wanderhouse

A gente começa com o duo de Los Angeles que não tem muitas faixas lançadas, mas um enorme potencial. O produtor Doctor Rosen Rosen se juntou com Marie Moreshead (hoje sob o nome de Ofelia ) e deu vida ao wanderhouse. A dupla que não durou muito e tem um comeback incerto deixou apenas três faixas. “Use Me Up” é o debut single deles e facilmente poderia ser uma mistura totalmente acertada de The XX com Ellie Goulding.

Nylo – Cocaine Hearts

Nylo
Também de Los Angeles, Nylo apresenta um enorme controle vocal de todas as notas em um neo soul que conversa com o R&B. Tão sexy e sussurrante, a garota contratada da Epic Records já tem dois ótimos EP’s (“Memories Speak” e “Indigo Summer”) divulgados, com destaque para o totalmente diferente cover da hoje famosa “Blurred Lines” (Robin Tickle). “Indigo Summer” é uma ótima aposta para aquele momento mais íntimo ou apenas para relaxar completamente na sua voz hipnotizante. A faixa escolhida mostra uma fragilidade de como pode ser viciante um amor.

Kodaline – All Comes Down

Kodaline
De Dublin, o rock calmo e sofrido do Kodaline apresentou ao mundo um dos melhores álbuns de 2013. “In a Perfect World” rendeu à banda as indicações de Revelação em dois grandes apontadores de hits: MTV Brand New e Sound of 2013 da BBC. Com influências de Talking Heads e Strokes, os irlandeses entregam um material fonográfico emocionante e digno de compartilhamento. “All Comes Down” não foi single da banda, mas consegue resumir toda a estética do álbum e por isso ela é a escolhida.

Mø – Red In The Grey

MO
Ela apareceu no ano passado e só depois de parcerias com Avicci (“Dear Boy”) e Diplo (“XXX 88”) que os holofotes se voltaram pra a dinamarquesa. A estreia solo, em fevereiro recente, trouxe o viciante álbum “No Mythologies to Follow” totalmente escrito pela menina de 25 anos. A dificuldade foi escolher apenas uma faixa para aparecer aqui porque o mesmo já figura entre um dos melhores álbuns deste ano. “Red In The Grey” foi escolhida por carregar uma vibe dançante que te permite viajar nas notas.

Wankelmut & Emma Louise – My Head Is a Jungle

Wankelmut & Emma Louise
Ela da Australia, ele da Alemanha. A faixa, único trabalho dos dois em conjunto, foi originalmente single de Emma Louise e se chamava apenas “Jungle”. Mais pra frente, Wankelmut largou os estudos depois de outro sucesso e remixou a faixa transformando ela no seu primeiro lançamento – solo – de fato. Escolhi a faixa por ser daquelas que te fazem escutar inúmeras vezes no repeat sem que você perceba que ela acabou e recomeçou.

Foxes – Night Owls Early Birds

Foxes
A queridinha do mundo pop em 2014 tem lugar mais do que cativo nessa playlist. Louisa, mais conhecida como Foxes, só ficou mundialmente conhecida com seus vocais para “Clarity” (parceria com o DJ Zedd), mas já fazia relativo sucesso com outro single, “Youth”. O álbum de estreia da inglesa, “Glorious”, não poderia ter nome um melhor. A escolha de “Night Owls Early Birds” se dá por ela ser a melhor faixa do álbum que também caminha na mesma vibe dançante de Mø.

Florrie – Summer Nights

Florrie
Florence Arnold, ou melhor, Florrie já está nos meus arquivos musicais há uns bons anos. Com um pop moderno totalmente independente, a cantora inglesa construiu seu império de magníficos EPs. O mais recente, “Sirens”, traz três novas faixas, todas com videoclipes. “Summer Nights” é fruto do primeiro EP e nem por isso deixa de ser totalmente aplicável como uma referência do seu trabalho.

Salt Ashes – Somebody

Salt Ashes
O obscuro debut synthpop da inglesa é apaixonante. Kylie Minogue, Daft Punk, Golfrapp, Madonna e MIA. As referências fazem você entender porque ela foi escolhida para essa playlist, pode e deve ser um grande sucesso em breve. O b-side do single destruidor, “Kiss A Little Dove”, só confirma seu talento.

Clean Bandit – Rather Be

Clean Bandit
Música eletrônica com clássica. Essa foi a premissa que levou os britânicos do Clean Bandit ao primeiro lugar dos charts ingleses por quatro semanas consecutivas. A parceria com a também incrível Jess Glyne só mostra que todos ali têm talento de sobra para um eletrônico diferente. “Rather Be” é um encontro perfeito, bem equilibrado e que não agride os ouvidos.

Misterwives – Reflections

Misterwives
Eu duvido que você escute essa faixa apenas uma vez. O trio nova-iorquino Misterwives fez muito bem a lição de casa e entrou arrebentando. Um pop tão grudento e bom com um dos melhores EPs já lançados em 2014 faz da banda um nome para ser acompanhado de perto enquanto você ouve todas as seis faixas do EP até seus ouvidos sangrarem. “Reflections” é a escolhida para finalizar essa lista para você querer sair daqui querendo cantar essa música enquanto anda num sábado na Avenida Paulista.

/ Gostou deste post? Então experimente nossa newsletter semanal. Assine nossa newsletter.

/

Aquele cara que poderia viver apenas falando de música. Assiste mais seriados do que pode acompanhar. Ainda arranja um tempo pra ser blogueiro e publicitário.

/CultPopShow © 2008-2014. Todos os direitos reservados.   |   Agência WCK